A marca Vichy está empenhada em preservar a confidencialidade dos dados pessoais que você transmite através deste formulário. Os dados pessoais recolhidos através deste formulário estão sujeitos a um tratamento concebido exclusivamente para Vichy, para efeitos de gerir o seu registo e gestão de orientação ao consumidor. Sob este tratamento, concordo que meus dados são transferidos em subsidiárias no exterior da UE, alguns deles não têm um nível adequado de protecção na acepção da Lei de Protecção de Dados e Liberdade.

Tem o direito de excluir dados de acesso, rectificação e oposição que lhe dizem respeito. Você pode exercer esse direito, a qualquer momento, enviando um e-mail para  [email protected]

Pode consultar a qualquer momento o seu Política de protecção de dados pessoais e as nossas Menções Legais.

OK

OKCancel

Thank you

Close

TESTE: 3 perguntas para saber se dorme bem (e o suficiente!)

Dormir é uma das atividades mais importantes para o nosso organismo. De nenhuma outra forma irá conseguir descansar e restaurar energias para o dia seguinte. E desengane-se se pensa que estamos apenas a falar de um maior nível de alerta e raciocínio rápido. Dormir bem é essencial para o cérebro, mas também para o seu humor e até para pele (para um detox completo ou um efeito desagregador das gorduras acumuladas) e o cabelo. Na verdade, quanto mais dorme, mais ferramentas oferece ao seu corpo para se regenerar, repondo os seus níveis regulares.

Os estudos têm sido peremptórios nesta questão: dormir é tão importante quanto comer ou beber para um correto funcionamento das suas capacidades vitais. E, por isso mesmo, é fulcral que descubra se está a dormir bem. Mais do que números - as investigações apontam para 6 a 9 horas de sono, de acordo com as necessidades de cada um - ouça o que o seu corpo lhe diz. De outra forma, o impacto negativo pode ser desastroso na sua motivação, saúde e inclusive, como algumas pesquisas recentes revelam, na sua linha. Vamos por partes.

Quantas destas afirmações são verdadeiras para si?

- Sinto-me sempre cansada, mesmo que tenham passado ainda poucas horas desde que acordei
- Adormeço com mais facilidade em qualquer lado
- Quando o despertador toca, sei que ainda não dormi o que precisava
- Tenho insónias frequentemente
- Deito-me sobre stress, sonho com coisas que me preocupam e/ou acordo durante a noite a pensar nelas

Se respondeu que "sim" a pelo menos uma delas, está na altura de passar ao próximo passo.

Há diferentes formas de medir a qualidade do sono, e nós recolhemos algumas dicas que poderão ser indicadoras. Reflita agora sobre as próximas 3 questões, que são um verdadeiro best of inspirado nos diagnósticos conduzidos pelos especialistas: o Teste de Ford, a Escala de Sonolência de Epworth e o Questionário do Sono de Spiegel.

Questão 1: As suas noites são todas parecidas entre si?

Para o saber, comece hoje a escrever o seu Diário do Sono. Anote o número de horas dormidas, quantas vezes acordou durante a noite e quanto tempo permaneceu acordada. Esta informação vai ajudá-la a ter uma perceção mais clara. Se preferir, use uma app para o efeito (veja o nosso top neste artigo) (link para artigo apps). Lembre-se de que ritmos de sono irregulares exigem ao seu organismo um maior esforço de adaptação. Vamos tentar minimizá-lo, sim?

Questão 2: Está sob privação de sono?

Verifique se estão presentes os seguintes sinais de sonolência: Se, durante o dia, sem justificação aparente, o sono leva a melhor quando está a ouvir música, a ver televisão, a assistir a uma conferência ou a viajar de transportes públicos, provavelmente as suas noites não lhe dão o sono de que precisa. Fale com o seu médico e experimente fazer power-naps (pequenas sestas de 30 minutos, nos dias em que for possível), que lhe permitirão recuperar horas de sono perdidas.

Questão 3: Sabe realmente como dorme?

Experimente confiar a análise do seu sono ao seu smartphone. Conseguir determinar sozinha, com exatidão, a duração e intensidade do sono pode parecer uma tarefa complicada, sobretudo se se sentir cansada. Ressonar com frequência e ruído significativo, pesadelos insistentes, agitação externa durante o sono e outros semelhantes, deverão ser sinas de alerta e levá-la a consultar um especialista, caso persistam. Mas a melhor forma de os reconhecer e captar é através de aparelhos que o permitam, pelo menos até chegar ao consultório médico. Falamos de colchões com medidores de movimento, edredons e lençóis inteligentes com controlo de temperatura, despertadores e sistema de iluminação que ajudam a adormecer e a acordar mais suavemente, ou simplesmente apps que controlam tudo isto. Valem a tentativa para noites mais descansadas e sonhos mais felizes!

Produtos sugeridos

Outros artigos sugeridos

go to top